Em algum outro tempo, amanhã eu estaria me casando:
com a parte mais leve de mim,
mais doce,
e engraçada.
Em algum outro espaço, amanhã eu estaria atravessando fronteiras:
meu corpo e outro corpo,
almas em camadas,
mãos com mãos,
infinita pele a arrepiar outros mundos.
Numa outra de mim, amanhã eu seria mais:
mais eu,
mais nós,
muitas mais.
Em algum outro texto, amanhã eu estaria escrevendo um romance sem fim,
inventando vidas.
Mas não.
Hoje sou ficção,
amanhã serei poema.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *