É quando os carros descansam em suas garagens
e a cidade inteira
silencia
que da janela sopram passarinhos
e um azul de nuvem e sonho
acordam o poema.
Dos lençóis brotam estrelas
e cerejeiras em flor:
no cheiro da pele
a eterna primavera,
e nos olhos,
jardim, preguiça e fome.
Nas manhãs de domingo,
a semana espreguiça inteira
e nós,
somos só
poesia,
mar
e a loucura do vinho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *