Um tremor de lábios
o passo incerto
a falha na voz.
Aquele temor de que o dia não fosse assim
tão perfeito.
Os cabelos despenteados
a língua na faca
a boca na fome:
a poeira no sapato que
trôpego e perdido
não sabia bem o lado da rua.
O esquecimento do verso
teu medo no meu braço
minha (in)segurança
no teu traço.
É na folha borrada que o poema se faz.
É na tua imperfeição que
perfeita
te vejo acordar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *