Era uma tarde assim,
suada
de malas abertas.
A pilha de livros
os muitos rascunhos
as poucas roupas
eram pés no chão
muita água
e toneladas de poesia.
Ela parou tudo,
respirou fundo,
e viu o azul:
há quanto tempo mesmo
não sonhava?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *