Do corpo brotaram espinhos,
aquele perfume,
o ardor
(talvez o amor).
Parecia que,
ao chegar-se assim,
com dedos ingênuos,
pernas eriçadas,
lábios alfabetizados,
atravessaria mapas
(ou perderia altitude).
Era um deserto.
Desejo também.
Mas era ali,
do meio das pernas
que a roseira,
a areia,
os globos todos
tinham seu ponto zero
(com pequenos desvios decimais).
E ela só queria saber cantar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *