Noite perdida em névoa, o espaço infinito do negro olhar, o mar, ali, a rugir.

No silêncio escuro, as ondas,

azuis?

Não. Águas e transparências do grito naufragado.

No horizonte, um sol.

Rasga nuvens, névoas, nada.

Noite escondida em ondas, dia estendido na areia, e nos olhos, o azul.

E o tempo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *