Das alturas dos teus cabelos lanço meus sonhos todos: penhascos, abismos, caminhos.
É da tua cabeça que vejo ao longe. É de ti, que me lanço em voo. Do teu peito é que abro as asas, sonho casas, e o azul lá, ali.
Aqui.
Dos teus olhos é que vejo estrelas, do teu corpo, sonho noites, das tuas mãos voam borboletas: faço casulos atrás das tuas orelhas. Nas tuas sobrancelhas, pistilos e perfumes.
Dos teus pés brotam nascentes, dos teus passos, estrelas cadentes: e eu, enluarada.
Escarpas fiando traços, tecendo espaços, e eu, nos teus braços.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *