E era água,
lago num céu azul
estrada de poeira
num domingo sem fome.
O tempo rolava em pedregulhos.
O domingo escapou pela curva suada,
e para além de todas as teorias,
um cheiro que não tinha em literatura nenhuma:
a nuca a boca o beijo,
os pés mergulhados
no chão
no céu,
e nós,
descansando passos e rascunhos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *