Ao dobrar a esquina,
dezembro se fez quente,
findo.
As rosas vermelhas,
ainda mais rubras, ainda mais fundas
naquele azul de céu
tão lá.

E foi à beira da calçada, o começo do precipício,
foi entre um passo e outro que chutou pedras
descobrindo topázios.

Procurou nos dicionários, almanaques, cartas e mapas,
que mês era esse,
assim,
tão cheio de fé, tão cheio de cor.
Sem resposta, deixou que dezembro chegasse,
bem dentro,
naquele fundo cheiro vermelho de rosas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *