E esse frio aqui, e quem sabe um outro calor lá? Pés com pés no meio dos cobertores: amores.

De olhos fechados, sabe dos mapas: cartografia tão dentro e tão funda, inunda. Essa escarpa, a tua espádua, esse ar aquele azul, e esse vento que vem agora e leva para longe… vai. Mas volta. Porque das asas ela aprendeu muito: não há altura sem sonho, não há voo, sem plano.

E alguém.

Alguém para quem voltar, alguém com quem voar. Alguém que, mesmo com medo de alturas, ensine a voar: e amar. Elas sabem. Mas é nesse braço, nesse abraço, o regaço: o cume, onde quero chegar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *