Tenho um gosto ácido e um azul perdidos dentro de mim. Eu quase que entristeço por não conseguir alcançá-los. Mas logo depois me ponho feliz com o segredo.
É quase como se tocasse o abismo da morte, esse silêncio (in)finito.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.