Do umbigo brotou uma fome insensata:
a de correr formigas,
soprar bilhetes,
fazer chuva em taças e bocas,
escrever nas pálpebras poema e flor
desalojar o tempo dos relógios,
esse tempo infrutífero,
despedaçado,
e esconder-me entre as dobras dos teus joelhos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *