“Todo mundo, parece,
imita um modelo
sem o saber, empresa descabida.
Mas o pior ocorre com quem pensa
ver o seu por diante como uma estátua.
Não imitai o mármore, senhores. Se não podeis
conter-vos, modelai-vos do pó,
dos cabelos do vento, do raspar
das cigarras, do inverossímil
ribombar do trovão no céu sereno.
Modelai-vos, digo, até do nada
se a ilusão tendes ainda de poder
roçar sequer a cópia daquela plenitude
de que estais vazios!”

Eugenio Montale (Itália, 1896-1981). Prêmio Nobel de Literatura em 1975. Considerado o mais expressivo representante italiano da poesia hermética.

POESIAS – Edição bilíngue – Editora Record, 1997.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *