Como se dançasse em noite fria, meus sonhos insones correm telhados. Como se meu corpo fosse aurora que acordasse folhas mortas. Nos meus joelhos, histórias quietas, nos meus dedos, desejos tortos. Se a noite roçasse o dia, se o inverno, a névoa, o fogo, se tudo isso fosse (m)eu, tu, pétala e orvalho, sonharia em mim, alecrim e jasmim.

E o tempo não seria nada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *